quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Eu disse que não ia passar


Eu lutei por um tempo, tentando não escrever mais nada sobre você. Eu tinha me prometido que não escreveria. Eu tinha jurado que não pensaria, nem sentiria mais sua falta.

Mas é que hoje eu sonhei com você.

E você estava lá, tão linda, sorridente e desajuizada com sempre esteve. E eu que pensava ter te esquecido, me peguei um milhão de vezes, o dia todo pra ser sincera, recordando o sonho e seu rosto nele. Me doeu muito saber que dessa vez, eu te perdi, pra nunca mais ter de volta. Você se foi pra nunca mais voltar.

E eu que reclamava das suas idas e vindas sem aviso, hoje daria tudo pra te ver voltar e bater na minha porta sem que eu esperasse. Acho que eu daria tudo, absolutamente tudo, só pra te ver voltar. Sentir aquele silencio constrangedor que sempre ficava quando a gente se encontrava, eu reclamava, mas aproveitava esse tempo pra olhar seus olhos, seu rosto, sentir seu cheiro de perto - eu me recordo de seu perfume até hoje e senti-lo me dispara o coração - e ouvir sua respiração e os sons dos seus passos ao meu lado.

É minha querida, eu não te esqueci, nunca vou esquecer, mas você nunca se lembrou. Eu não queria, não queria mesmo sentir sua falta ou sorrir por ver a sua droga de sorriso-mais-lindo-do-mundo em um sonho, mas eu sinto - e sinto tanto - a sua falta, e seu sorriso... Ah o seu sorriso, sempre vai me fazer sorrir.

Tudo isso dói, de uma maneira que eu nunca pude imaginar que doeria. Dói tanto que eu tentei amenizar, colocar alguém em seu lugar, uma outra. Não funcionou, não cabe mais ninguém aqui dentro de mim. O amor  (a dor) ocupa todo, amor (dor) que não passa e não vai passar. Passou você, foi e me deixou aqui.
E dói...

Um pedido final:
Volta.

3 comentários:

  1. Lindo texto! Consegue sentir os sentimentos sendo aflorados a cada paragrafo. Seu blog é tão lindo! Parabéns.

    ResponderExcluir